Após balanço, CIESP Campinas prevê 2019 melhor

As indústrias das 19 cidades do regional do Ciesp importaram US$ 8,4 bilhões nos dez primeiros meses de 2018, contra US$ 2,9 bilhões de exportações no mesmo período.

Os três setores responsáveis pelo aumento das importações são: máquinas e aparelhos eletrônicos, produtos químicos orgânicos e máquinas, aparelhos mecânicos e suas partes.

Já os três setores que elevaram as exportações são: máquinas e aparelhos mecânicos e suas partes, produtos plásticos e derivados e veículos e suas partes.

2019 será melhor – O fato de os três produtos mais importados serem de setores de máquinas, dá segundo diretores do Ciesp, uma indicação de melhora na indústria regional em 2019, com mais investimentos e empregos.

“Isso nos dá uma leitura numa possível retomada a partir de 2019. Uma vez que, se eu tivesse nos principais grupos de importação produtos acabados e alguns insumos para produção, iríamos dizer que estaríamos permanecendo no mesmo patamar”, explica Anselmo Riso, diretor de Comércio Exterior do Ciesp Campinas.

Dos três setores com mais importações, 32% são de máquinas e aparelhos eletrônicos, e 12,6% de máquinas e aparelhos mecânicos, ou seja, as indústrias estão se organizando para produzir mais no ano que vem.

Em relação aos empregos, o acumulado de janeiro a outubro fechou com 2,4 mil vagas criadas, contra 1,1 mil no mesmo período do ano passado. É o melhor resultado desde 2011.

COM INFORMAÇÕES E FOTO: G1


Sindicomis é condenado por cobrar contribuição sindical indevida

Em decisão da 5ª. Vara do Trabalho de Santos, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, o judiciário condenou o Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) tendo em vista a cobrança indevida de contribuição sindical do ano de 2018 sem concordância expressa de empresa que atua no segmento de agenciamento de cargas. A decisão proferida pelo juiz Wildner Izzi Pancheri determinou a inexigibilidade do débito cobrado pelo réu a título de contribuição sindical indevida, conforme a Lei 13.467/2017, em vigor desde 11 de novembro do ano passado. A partir desta decisão, é considerada ilegal a cobrança da contribuição sindical patronal sem a autorização ou concordância expressa da empresa à entidade relacionada.

O Sindicomis foi condenado no pagamento de custas e honorários advocatícios, bem como impedido de renovar a cobrança, por não apresentar autorização nem concordância expressa da empresa autora para pagamento da contribuição sindical patronal, conforme decisão. Na mesma decisão, foi determinado que o Sindicato se abstenha de inserir os dados da empresa junto ao Serasa e demais órgãos de proteção de crédito.

De acordo com o advogado Luiz Henrique Pereira de Oliveira, atuante no caso, é importante ressaltar que a inserção indevida do nome da empresa no Serasa poderia gerar inclusive uma ação para reparação dos danos morais.

O outro advogado responsável pelo caso, Claudio Perón Ferraz, esclareceu que a ação de inexigibilidade de contribuição sindical, por não ter autorizado expressamente o pagamento, suspendeu a inclusão do nome da empresa no Serasa. “A empresa teve êxito tanto na liminar quanto no mérito, pela sentença judicial, sendo declarável inexigível a cobrança da contribuição sindical e coibida a inclusão dos dados da empresa no Serasa e demais órgãos de proteção de crédito”.

Conforme o artigo 579 da Lei 13.467/2017, o desconto da contribuição sindical “está condicionado à autorização prévia e expressa das companhias que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão ou, inexistindo este, na conformidade do disposto no art. 591 desta Consolidação”. A decisão é de primeira instância e ainda cabe recurso.

Fonte: Porto Gente


Prêmio à eficiência logística. Que assim seja, Brasil

Por Valdir Santos*

O planejamento do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro vem dando sinais claros que enxerga a necessidade de desburocratização, trazendo maior eficiência aos setores produtivos e, como consequência, a redução de seus custos.

Para o comércio exterior e a logística, pontualmente no setor portuário, por exemplo, destacou a importância da integração entre a malha rodoviária e os portos brasileiros. Igualmente, apontou como principal meta a redução de custos e prazos para embarques e desembarques. São citados os portos de Busan (Coreia do Sul), Yokohama (Japão) e Kaohsiung (Taiwan), como patamares a serem alcançados.

Ainda sobre o novo governo duas frases recentes do presidente eleito Bolsonaro, em seu jeito simples e direto, sinalizam o caminho da eficiência nesse início de governo. “Chega de carimbos, autorizações e burocracias” e também “precisamos de um governo que saia do cangote da classe produtora”.

No mesmo caminho, o Grupo V. Santos já vem praticando a eficiência em seus serviços, reconhecida pelo mercado. Pelo segundo ano consecutivo fomos contemplados pelo “Prêmio Eficiência Logística”, entregue agora em novembro, aos destaques de 2018 no maior centro cargueiro do Brasil: o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

Nesse evento, a V. Santos e a Asa Express receberam o certificado pelo destaque cadeia logística no setor automotivo, através de seus serviços para a empresa Kostal Eletromecânica. Além do reconhecimento, a empresa está autorizada pelo aeroporto para utilização de um selo da conquista em ações de marketing e nas redes sociais.

Assim como nas nossas ações, esperamos que as ideias dos governantes saiam do papel e do discurso e, efetivamente, concretizem-se. Por aqui, estamos prontos para essa nova realidade.

*Valdir Santos é o presidente do Grupo V.Santos, que congrega
as empresas V.Santos Internacional e a Transportadora Asa Express


Viracopos passa a contar com novas rotas para exportação de carga

Novos voos de passageiros para Argentina e Portugal (com conexões imediatas para outros países europeus) são anunciados em Campinas (SP): opções para utilizar porão das aeronaves para cargas

A dificuldade enfrentada pelos agentes de carga e embarcadores (exportadores e importadores) de falta de espaço em voos cargueiros recebeu um alento com a possibilidade de utilização do espaço carga de porão em Campinas (SP).

O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP) anunciou que terá novos voos internacionais de passageiros.

Para Buenos Aires, será a partir de 11 de janeiro. De acordo com a Azul Linhas Aéreas, que vai operar o trajeto, as passagens já estão à venda nos canais oficiais da empresa. As partidas diárias para a capital argentina acontecerão às 9h e a aeronave usada será a A320neo, com capacidade para até 174 passageiros.

Ainda segundo a companhia aérea, todos os municípios do interior de Minas Gerais e São Paulo, além de Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro(RJ), Recife (PE), Goiânia (GO), Cuiabá (MT), terão conexões em Campinas para os voos para Buenos Aires e Bariloche.

 

Porto – Na última quarta-feira (5), a empresa também confirmou mais um trajeto para Portugal partindo de Viracopos. Além de Lisboa, primeiro destino internacional do aeroporto, o terminal também terá voos para Porto a partir do dia 3 de junho. As partidas acontecerão às segundas, quartas e sextas. Os bilhetes também já estão à venda.

A aeronave utilizada será um Airbus A330, com capacidade para 272 passageiros. Florianópolis, Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Goiânia e Cuiabá também terão conexões em Campinas para Porto.

Na cidade portuguesa, a empresa, em parceria com a TAP, terá voos imediatos para Amsterdã, Genebra, Luxemburgo e Londres.

Além das novas rotas internacionais anunciadas, o Aeroporto de Viracopos já tem voos para Lisboa, Paris, Fort Lauderdale e Bariloche.


Sorocaba deve receber empresas ou ampliações em 2019. Este ano, 12 anunciaram investimentos

Um total de 12 empresas anunciaram este ano investimentos em Sorocaba, que somam cerca de R$ 149 milhões e com geração de 1.300 vagas de trabalho, segundo a Prefeitura. Para os próximos meses, de acordo com informações da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedeter), a expectativa é de que mais empresas confirmem a intenção de se instalar na cidade ou de ampliar suas plantas.

Na segunda-feira, o diretor da Multicel Pigmentos, Leonardo Di Nino, se reuniu com o prefeito José Crespo. A empresa, já instalada em Sorocaba, deve investir R$ 9,5 milhões e gerar 65 novos empregos na ampliação. A Multicel, de origem nacional, é uma indústria do setor químico.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Robson Coivo, existe esforço para atrair mais empresas e auxiliar na ampliação das já instaladas na cidade, o que resulta em geração de emprego e na movimentação da economia. Entre as medidas para incentivar investimentos para a cidade estão segurança jurídica, desburocratização e política de aproximação de empresas de uma mesma cadeia produtiva, diz o secretário.

Entre os investimentos anunciados neste ano, está a nova fábrica da ABB, cuja inauguração ocorreu no dia 20 de setembro. Com investimento de R$ 20 milhões e 250 novos empregos, a nova estrutura da empresa é voltada à fabricação e customização de painéis de baixa e média tensão.

No final de setembro, diretores de uma empresa do setor de alimentos (nome é mantido em sigilo) confirmaram investimento R$ 30 milhões e 120 novos empregos. A construção da indústria já começou, no bairro Iporanga.

Em maio foi inaugurada a nova planta da Rose Plastic Brasil, de embalagens plásticas para o mercado farmacêutico — investimento de R$ 21 milhões. O Grupo Sorocred transferiu quatro empresas de Barueri para Sorocaba deste ano, com investimento de R$ 18 milhões e 800 novos empregos.

No primeiro semestre de 2018, a Sedeter, em parceria com o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e com a empresa Lang Mekra, assinou dois protocolos de intenção com as empresas Varroc do Brasil e DPR Telecomunicações, que juntas vão gerar 350 empregos diretos.

A Varroc tem atividades de fabricação de sistemas de iluminação, em especial lanternas e faróis para a indústria automobilística, e deve fazer um investimento de R$ 48 milhões na região gerando 180 empregos diretos.

Em relação à DPR Telecomunicações, as conversas iniciaram no final de 2017, e no em abril a empresa efetivou sua decisão de investir cerca de R$ 7 milhões para a instalação de sua unidade, propiciando a geração de 170 empregos diretos, segundo a Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom).

A DPR é especializada no desenvolvimento de produtos para montagem e manutenção de rede de telecomunicações em geral, e atende provedores de serviços de comunicação, operadoras, empreiteiras e revendas.

Com informações: Jornal Cruzeiro do Sul