Viracopos inicia 2015 com mudanças no conceito de aplicação de tabela para as cargas trânsito(TC-4)

teca importaçãoA partir de janeiro de 2015, o Aeroporto de Viracopos passará a aplicar as tabelas 7 e 8 para as cargas com PÁTIO VENCIDO, independentemente de o vencimento ter ocorrido nos finais de semana ou feriados. Confira abaixo, transcrito na íntegra, o comunicado feito pela Concessionária Aeroportos Brasil Viracopos (ABV).

“Prezados Parceiros de Viracopos,

Teremos algumas mudanças no conceito de aplicação de tabela para as cargas trânsito – TC-4 a partir de janeiro 2015.

Atualmente, para os processos de remoção/trânsito, aplicamos a tabela 10 da DECISÃO ANAC 84/2014.

Quando vencido o prazo das 24 horas de permanência da carga em nosso armazém nos dias úteis, aplicamos as tabelas 7 e 8  (excluindo , portanto, feriados e fins de semana).

Quando esse prazo excede nos fins de semana e feriados, aplicamos novos períodos da mesma tabela, conforme já vinha sendo feito na era INFRAERO.

Desde que a Aeroportos Brasil Viracopos S.A. assumiu a concessão do aeroporto,  nossas Diretorias vêm buscando cumprir com as cláusulas do Contrato de Concessão, inclusive confrontando o que determina a tabela de cobrança de tarifas com o efetivamente praticado. Neste sentido, temos:

1)    IN SRF 102/1994: “CONTROLE DE CARGA DESEMBARCADA NÃO DESTINADA A ARMAZENAMENTO – Art. 16. A carga cujo tratamento imediato não implique destinação para armazenamento deverá permanecer sob controle aduaneiro, em área própria, previamente designada pelo chefe da unidade local da SRF, sob a responsabilidade do transportador ou do desconsolidador de carga.

§ 1º A permanência dessa carga nesse local, sem vinculação no sistema de documento liberatório, não poderá exceder 24 (vinte e quatro) horas da chegada do veículo. (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010).§ 2º Nos casos em que o tratamento indicado seja pátio-conexão imediata ou carga pátio, o não cumprimento do prazo previsto no § 1º obrigará o transportador ou o desconsolidador de carga a entregá-la ao depositário, para armazenamento. (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010)”.

 

2)    CONTRATO DE CONCESSÃO ANAC nº 003/SBKP/2012  e DECISÃO ANAC 84/2014

Observação do item 2 “ esta tabela aplica-se à carga com permanência máxima de 24 (vinte e quatro) horas no TECA;”

teca

Desta forma, a partir de janeiro de 2015, passaremos a aplicar as tabelas 7 e 8 para as cargas com PÁTIO VENCIDO, independentemente de o vencimento ter ocorrido nos finais de semana ou feriados.

O comunicado consta na nossa site de carga e papel físico foi colocada no CAC, na tarifação, nas portas de entrada das salas SINDASP (PA e TECA), na porta interior e exterior do PointLog, na parede na área de espera de liberação, e em dois lugares no balcão de liberação”


Queda do preço do petróleo e “baixa temporada” podem derrubar tarifas nas cias. aéreas cargueiras em 2015

Lufthansa-Cargo-1Em 2015, por conta da queda no petróleo, cias aéreas americanas devem superar recordes de lucro atingidos no final dos anos 90, afirma IATA. Segundo especialista, a queda das tarifas na carga aérea poderá ocorrer nos primeiros meses do próximo ano, no Brasil.

Os preços de combustível em queda e um crescimento econômico mais forte significam que companhias aéreas globais vão registrar suas margens de lucros mais fortes em mais que cinco anos em 2015, disse a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês).

A associação baseada em Genebra, que representa cerca de 250 companhias aéreas que são responsáveis por 84 por cento do tráfego aéreo, disse que o lucro líquido vai subir para 25 bilhões de dólares em 2015, resultado numa margem de lucro de 3,2 por cento.

A Iata também elevou sua projeção de lucro para 2014 para 19,9 bilhões de dólares, ante estimativa anterior de 18 bilhões de dólares. Os gastos de companhias aéreas com combustível vão cair para 192 bilhões de dólares em 2015, ante projetados 204 bilhões de dólares neste ano, segundo a Iata.

As operadoras americanas deverão ter o melhor desempenho nos lucros neste ano, com uma renda líquida de US$ 11,9 bilhões que podem atingir US$ 13,2 bilhões em 2015, gerando uma margem de 6 % que ultrapassaria o pico registrado no final da década de 1990.

No Brasil – A queda do preço do petróleo deve derrubar tarifas no transporte de carga aérea no Brasil somente no início de 2015, como afirma Marcos Rossi, Regional Airfreight Head LATAM
DACHSER Brasil. “Apesar da baixa no preço do petróleo, estamos em plena “alta temporada” e reduções efetivas nos custos poderão ser notadas, provavelmente, a partir dos primeiros meses do próximo ano. A América do Sul, por exemplo, nesse momento, está super aquecida com a exportação de produtos perecíveis e os custos de frete permanecem altos”, destaca Rossi. Já na avaliação de Romney Albanez, diretor da empresa de desembaraço aduaneiro e agenciamento de carga “ARN”, o reflexo no processo contrário é imediato. “Quando temos o aumento no preço do petróleo, e o consequente aumento no combustível da aviação, chamado QAV, as empresas aéreas repassam para seus clientes os valores, através de uma cobrança batizada de “fuel surcharge”. Por que não ocorre o inverso?, questiona Albanez. Uma empresa aérea brasileira GOL se manifestou e afirmou que a queda não incidirá em diminuição nos preços das passagens, pois as companhias aéreas estão priorizando a recuperação de margens.

Com informações: Bloomberg, Reuters e UOL


ABSA, American Airlines e Alitalia têm multas reduzidas por cartel no transporte de cargas em 2013

absa-cargo-boeing-767-300fCade reduz em R$ 93 milhões multa a aéreas, pois, segundo conselheira, o recálculo de penalidades era necessário por “omissões e contradições”.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) reduziu, em R$ 93 milhões, as multas aplicadas a três companhias aéreas por formação de cartel no transporte de cargas no Brasil. Empresas e funcionários foram condenados em agosto de 2013 por combinar preço e data de aplicação do adicional de combustível cobrado no transporte internacional de cargas. Após a sentença, as aéreas pediram embargos de declaração, para contestar as multas. A conselheira do Cade, Ana Frazão, relatora dos embargos, aceitou recalcular as penalidades. “A revisão foi feita para suprir omissões e contradições da decisão embargada, que comprometiam a coerência interna. Era preciso assegurar a proporcionalidade e a isonomia das multas fixadas.” A American Airlines teve multa reduzida de R$ 26 milhões para R$ 16,1 milhões; a ABSA Aerolíneas Brasileiras, de R$ 114 milhões para R$ 32,7 milhões; e a Alitalia, de R$ 4 milhões para R$ 1,7 milhão. A Varig Log, que parou de operar em 2012, teve multa mantida em R$ 145 milhões. O esquema foi delatado pela alemã Lufthansa em 2006. A Swiss Airlines também colaborou com as investigações. As duas ficaram livres de punições. A Air France a holandesa KLM confessaram participação no cartel e pagaram R$ 14 milhões para encerrar o caso. Em nota à imprensa, a ABSA – hoje controlada pela Latam, criada após fusão da chilena Lan e a brasileira TAM – afirmou que “vai aguardar a publicação da sentença para tomar as ações cabíveis”. A empresa esclareceu que a conduta se refere ao período pré-fusão.

Com informações do Jornal DCI


Novo ministro da Fazenda promete corte de despesas, mas sem pacotes

Joaquim-LevyJoaquim Levy fixou meta fiscal de 1,2% do PIB para 2015 e de ao menos 2% em 2016. Novo ministro disse ter autonomia para implementar medidas necessárias.

O ministro da Fazenda nomeado, Joaquim Levy, informou nesta quinta-feira (27) que a meta de superávit primário, a economia feita para pagar juros da dívida pública e tentar manter sua trajetória de queda, será de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para todo o setor público consolidado (governo, estados e municípios) em 2015.

Em 2016 e 2017, segundo ele, o esforço fiscal não será inferior a 2% do PIB – patamar registrado em 2013. “Alcançar essa meta será fundamental para o aumento da confiança na economia brasileira”, declarou Levy a jornalistas no Palácio do Planalto. Para atingir essas metas fiscais, ele informou que algumas medidas que vêm sendo discutidas são de diminuição de despesas. Entretanto, acrescentou que as medidas serão, “não digo graduais, mas sem pacotes, sem nenhuma surpresa”.

Questionado por jornalistas, o próximo ministro declarou ter autonomia para implementar as medidas. “A autonomia está dada. O objetivo é claro. Os meios a gente conhece. Acho que há o suficiente grau de entendimento dentro da própria equipe e maturidade. Então, acho que essa questão vai se responder de uma maneira muito tranquila. Dizer uma coisa ou  outra não tem muito sentido agora. A gente vai ver no dia a dia como as coisas ocorrem. Quando uma economia é escolhida, há confiança”, afirmou.

Resultado das contas públicas neste ano – Nos nove primeiros meses deste ano, as contas do setor público registraram um déficit primário – receitas ficaram abaixo das despesas, mesmo sem contar juros da dívida – de R$ 15,28 bilhões, ainda segundo números divulgados pelo BC. Foi a primeira vez desde o início da série histórica do BC, em 2002 para anos fechados, que as contas do setor público registraram um déficit nos nove primeiros meses de um ano.

Considerado ortodoxo, com uma atuação mais tradicional na economia, Levy, de 53 anos, executou um ajuste fiscal na primeira gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que levou o superávit primário a um patamar médio de 3,5% do PIB (série histórica revisada do BC, sem as estatais) – patamar considerado elevado. Ele ficou conhecido como “mãos de tesoura” na ocasião por conta do controle de gastos implementado nas contas públicas.

Redução da dívida pública – Primeiramente, cabe notar que vir a suceder o mais longevo ministro da Fazenda em período democrático [Guido Mantega] é mais do que uma honra, um privilégio. O objetivo imediato do governo e do Ministério da Fazenda é estabelecer uma meta de superávit primário para os três proximos anos que contemple a estabilização e declínio da dívida pública”, declarou o ministro da Fazenda nomeado pela presidente Dilma Rousseff.

Joaquim Levy também avaliou que é fundamental para o aumento da confiança da economia brasileira, a consolidação dos avanços sociais e econômicos e reafirmou o compromisso com transparência e com a divulgação de dados abrangentes. “As medidas necessárias para o equilíbrio das contas públicas serão tomadas. Como a gente falou, serão tomadas com análise e segurança. Eu acho que o Brasil tem mecanismo capazes disso. É um trabalho que envolve não só o governo federal, mas acho que toda a federação, não só o Poder Executivo, mas todos os poderes. É um trabalho importante pois é o que garante condições de crescimento”, declarou Joaquim Levy.

Tesouro Nacional – O ministro indicado da Fazenda, Joaquim Levy, ao ser interpelado por jornalistas sobre quem será o novo secretário do Tesouro Nacional, não disse que não falaria sobre isso neste momento. “Vamos manter os ritos. A gente têm desafios, coisas importantes a fazer. A gente não está em nenhuma agonia. Vamos ficar tranquilos. Essa é a maneira boa de lidar com os desafios de um novo governo que começa em primeiro de janeiro”, afirmou. Rumores dão conta de que o próximo secretário do Tesouro Nacional pode ser Carlos Hamilton Araújo, atualmente na diretoria de Política Econômica do Banco Central.

Fonte: O Globo


Conheça os vencedores do Troféu “Excelência Logística Viracopos 2014”

kuster viracoposConfira os premiados no evento realizado nesta última quarta-feira (19), em Campinas.

Entre os prestadores de serviço, quatro categorias foram premiadas no “Excelência Logística Viracopos 2014”:

– Melhor Agente de Carga: Panalpina
– Melhor Comissária de Despachos Aduaneiros: DHL Global Forwarding
– Melhor Transportador Rodoviário: Rodovisa Transportes
– Melhor Companhia Aérea: Lufthansa Cargo

Outras empresas também foram homenageadas com o destaque importador, exportador e planta. Na categoria “Cadeia Logística”, os ganhadores foram identificados através da performance de um ano no Ranking de Eficiência Logística, com os tempos mais rápidos dos importadores na liberação de carga em no Aeroporto Internacional de Viracopos. “Criamos, a partir do ano passado, uma premiação para incentivar toda a cadeia logística que atua no terminal e o resultado foi o melhor possível. É com iniciativas como essa que conquistaremos nosso objetivo de tornar Viracopos o melhor aeroporto da América Latina”, ressaltou o diretor-presidente da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, Luiz Alberto Küster. A premiação ocorreu no encerramento do SCALA 2014.