UPS e CTA Cargo confirmadas para debater projeto FAST LANE

O novo projeto implantado em Viracopos, batizado de FASTLANE, será apresentado ao mercado em uma LIVE no início de julho.

O Aeroporto de Viracopos iniciou o Programa FAST LANE, que tem o objetivo oferecer um atendimento diferenciado às empresas aéreas cargueiras, premiando sua assiduidade através do processamento prioritário dos voos. O novo programa – que terá pontuação para as aéreas – promete vantagens significativas com avanços de até 50% de agilidade na operação de carga.

Após as confirmações da ABV e do CIESP, agora as empresas UPS e CTA Cargo Travel Air International estão confirmadas para debater o tema no evento.

Entre os debatedores, estará Daniel Souza, Brazil Country Operations Manager da UPS que avaliou positivamente o projeto.  “A UPS esteve no “projeto piloto” e será um prazer participar desse debate. O FAST LANE traz grandes avanços na questão do tempo de recebimento, atracação da carga, agilidade para o importador fazer o registro da DI e a rápida liberação da carga no aeroporto”, resumiu Souza.

O tema será debatido em uma live no dia 02/07, sexta-feira, às 11h. A apresentação será de Ricardo Luize, gerente de carga aérea da Aeroportos Brasil Viracopos (ABV) e a moderação de Anselmo Riso, diretor de comércio exterior do CIESP Campinas (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo).

As inscrições gratuitas já estão abertas: credenciamento@livecomex.com.br

 

Ficha Técnica

LIVE: FAST LANE – NOVO PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARA EMPRESAS AÉREAS: MAIS AGILIDADE PARA A CARGA INTERNACIONAL EM VIRACOPOS

Data02/07/2021 – sexta-feira

Horário11h às 12h

Apresentação

Ricardo Luize – Gerente de Logística de Carga ABV – Aeroporto de Viracopos

 

Moderador

Anselmo Riso – Diretor de Comércio Exterior CIESP (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo)

 

Debatedores

Daniel SouzaBrazil Country Operations Manager – UPS Brasil

Mariano Lima – VCP Station Manager – CTA Cargo Travel Air International

Inscrições gratuitas: credenciamento@livecomex.com.br

Após esforços do SINDASP, Despachantes Aduaneiros e outras categorias são vacinados em Guarulhos

Depois de Viracopos, agora é vez do Aeroporto Internacional de São Paulo contemplar mais trabalhadores em ação iniciada nesta quinta-feira(17)

Desde o dia 29 de maio, o Aeroporto de Viracopos, no interior de São Paulo, iniciou a vacinação contra a COVID-19 e nas suas ações estavam contemplados os Despachantes Aduaneiros como grupo prioritário, após gestões locais do SINDASP reivindicando essa inclusão.

Os dois maiores aeroportos cargueiros do Brasil seguiam o preconizado nas diretrizes do Plano Nacional de Imunização.  Na ação, estão previstos aeronautas, aeroviários e aeroportuários, além de órgãos públicos que trabalham com a carga aérea. Todavia, o aeroporto de Campinas havia estendido a vacinação aos Despachantes Aduaneiros, mas Guarulhos ainda não seguia essa regra.

Mesmo após o SINDASP protocolar ofícios no Ministério da Saúde, no Governo do Estado e na Prefeitura de Guarulhos, a categoria – que mantém contato direto com mercadorias do exterior – ainda não havia sido contemplada no maior aeroporto do Brasil. Na sexta-feira, 11/06, inclusive, foi a vez do Secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn receber novo documento com o pleito.

Finalmente, na última segunda-feira (15), a GRU Airport –  Concessionária do Aeroporto – divulgou uma nota que segue o Programa Nacional de Operacionalização da Vacina contra a COVID-19 do Ministério da Saúde e o Plano Estadual de Imunização, com vacinação iniciada no dia 17 de junho, das 09h às 16h, para todos os trabalhadores, seguindo algumas regras como apresentar credencial válida no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, ter mais de 18 anos e preencher formulários específicos. A notícia agradou o SINDASP. “Recebemos com alegria a informação. Mas, seguimos monitorando a questão”, comemorou Marcos Farneze, presidente do SINDASP.

Não estão todos contemplados – Ainda assim, o SINDASP segue reivindicando que todos os Despachantes Aduaneiros – ou seja, mesmo aqueles que não tem crachás nos aeroportos, mas atuam em algum momento no local – sejam vacinados. “Reconhecemos os esforços da Prefeitura de Guarulhos e do Governo do Estado de São Paulo, mas defendemos que a imunização do equipamento urbano está definitivamente comprometida sem a vacinação completa desses profissionais”, encerra Farneze.

Multinacional brasileira, Asia Shipping completa 25 anos e cresce no mercado Pharma

Única da AL presente no top 50 maiores de agentes de carga no mundo, empresa foca no transporte de insumos e é responsável pelo transporte da vacina Coronavac no Chile e Uruguai

Imagine transportar um sorvete da China para o Brasil, de forma que ele não derreta e mantenha o sabor original. Embora seja um cenário hipotético, ele retrata bem todo o trabalho logístico realizado pela Asia Shipping para o setor farmacêutico. Como se trata de uma mercadoria sensível, que precisa seguir à risca os padrões de temperatura e armazenagem, a empresa trabalha com os mais inovadores contêineres aéreos ativos, capazes de atender o serviço porta a porta sem desvios de temperatura (de – 40ºC a 40ºC) e, também, com embalagens passivas, que podem manter o produto em faixas de temperaturas ainda mais baixas com o uso de materiais refrigerantes e isolantes.

Atualmente, grandes grupos farmacêuticos como APSEN, CIMED, Prati Donaduzzi, Cristália, Instituto Butantan, EMS e Eurofarma são clientes da Asia Shipping, membro da WCA Pharma, líder mundial da Rede Logística Farmacêutica. No caso da APSEN, a empresa precisava transportar um produto sensível à temperatura. Por meio de consultoria apresentada pela Asia Shipping, a farmacêutica decidiu substituir os embarques do sistema ativo de controle de temperatura para o passivo, com resultados satisfatórios. Além de passar pelo crivo do departamento de qualidade da farmacêutica, a solução permitiu à APSEN reduzir seus custos logísticos em cerca de 30%.

“Temos uma logística internacional complexa e a Asia Shipping compreendeu nossos desafios e apresentou uma alternativa de embarque do Canadá para o Brasil com embalagens passivas. Fizemos a qualificação da embalagem e seguimos com os embarques, que estão nos atendendo prontamente. Houve ainda uma queda significativa nos valores do frete, mantendo o nível de qualidade que priorizamos”, afirma Juliana Alves, analista de Comércio Exterior da APSEN.

De acordo com Fernando Piza, Head de Pharma & Healthcare da Asia Shipping, a indústria farmacêutica é uma das mais reguladas do mundo e exige um conjunto de boas práticas para transporte, armazenagem e distribuição. “Nos importamos em fazer o melhor em toda a cadeia logística para que o medicamento ou insumo chegue em ótima qualidade para a população, estando em conformidade com a legislação e com as Melhores Práticas de Transporte e Armazenagem”, destaca.

Em 2020, a Asia Shipping realizou 82 mil embarques, sendo que o segmento de Pharma representou 5%. A expectativa é que haja um incremento da participação do setor nos negócios da multinacional brasileira na ordem de 5%, baseado em novas demandas, como o transporte de vacinas da China para países da América Latina. De janeiro a maio, a Asia Shipping transportou mais de 16 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac para Chile e Uruguai, considerando todas as especificidades e exigências para garantir um deslocamento seguro, em temperatura adequada, para proteger a população e controlar a pandemia de Covid-19.

“Também oferecemos uma série de soluções para a exportação de insumos e medicamentos para farmacêuticas brasileiras que estão abrindo plantas na Europa e nos Estados Unidos. Atualmente, temos contratos globais com os maiores fornecedores de contêineres aéreos ativos e embalagens passivos. A nossa estrutura e a inteligência logística nos posicionam como um dos principais especialistas no mercado para embarques farmacêuticos complexos”, reitera Piza.

Em 2021, a Asia Shipping comemora 25 anos de existência como maior integradora logística da América Latina e a única da região presente no Ranking dos 50 maiores agentes de carga do mundo.

GM confirma investimentos de R$ 5 bi na produção da nova S10 em São José dos Campos

A GM confirmou a produção de mais uma nova geração de picape no Brasil – já é a segunda em um mês. Primeiro foi o anúncio da futura picape feita sobre a plataforma de Onix e Tracker no complexo de São Caetano do Sul (SP), conforme divulgado pela empresa em maio. Agora é a vez da confirmação de um novo investimento em São José dos Campos (SP) para a fabricação da nova S10.

A informação foi repassada pela GM para o Sindicato dos Metalúrgicos de São José do Campos e Região na última sexta-feira, 11, cumprindo assim um acordo que havia sido assinado entre a montadora e os trabalhadores em 2019.

O comunicado divulgado pelo sindicato explica que a previsão da marca é que os investimentos sejam concluídos em 2023. “Segundo a empresa, há perspectivas de aumento de produção e novas contratações nesse período. Este ano, já foram admitidos 400 trabalhadores, podendo chegar a 600”, esclarece o informe.

Pelo documento assinado em 2019, a GM se comprometia a investir no mínimo R$ 5 bilhões na unidade de São José dos Campos e mantê-la em funcionamento – hoje essa linha de montagem, que conta com 3,8 mil trabalhadores, produz a picape S10 e o SUV derivado dela, a Trailblazer. O acordo foi fechado depois que a empresa havia ameaçado deixar o Brasil se não voltasse a ter lucro na região.

A nova geração da S10 ainda não tem data confirmada para sua estreia, mas fontes do mercado dizem que ela deve ser lançada apenas em 2023. Ele deverá manter a mesma plataforma usada hoje, mas crescerá em dimensões, para se afastar da picape baseada no Onix, já que esta terá a missão de enfrentar diretamente a Fiat Toro. Com isso, a S10 ganhará também mais tecnologia e conectividade para concorrer com a nova Ford Ranger, modelo fabricado na Argentina e que sofrerá mudanças na mesma época que a S10.

Fonte e informações: https://www.automotivebusiness.com.br

Mapa define critérios para importação de produtos para consumo na Copa América 2021

Foi publicada na última sexta-feira (11), no Diário Oficial da União, a Portaria nº 329 que estabelece os procedimentos para a importação de produtos de origem animal e vegetal, de procedência estrangeira, para utilização ou consumo durante a Copa América de 2021.

Os procedimentos estabelecidos serão aplicados às importações solicitadas pelas organizações, delegações, instituições e entidades indicadas pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e credenciadas pela Receita Federal do Brasil (RFB). As representações diplomáticas dos países participantes também estão contempladas na normativa.

A norma permite o tratamento adequado de internalização de produtos de interesse agropecuário, destinada exclusivamente para utilização e consumo durante a Copa América de 2021, sendo expressamente proibido o comércio desses produtos. A fiscalização dos produtos importados será realizada com prioridade, visando conferir maior celeridade ao processo de liberação.