Aurora da Amazônia segue pronta para investimentos e gestão moderna em Novo Porto Seco de Anápolis (GO)

Justiça reverteu decisão da Prefeitura local e empresa volta a liderar certame licitatório. Prazo para recursos e decisão da Receita Federal se aproximam do final.

A Aurora da Amazônia – empresa que carrega uma história de mais de 40 anos inserida ao Grupo que congrega 7 grandes empresas na área de comércio exterior, logística, transporte, movimentação e armazenagem de cargas em todo o País – quer levar toda sua expertise para a gestão do Novo Porto Seco de Anápolis (GO).

As ilegalidades praticadas pela administração pública municipal nos processos administrativos, foram revistas pela Justiça no caso da licitação do Porto Seco da cidade goiana.

A teor do documento considerou ilegal a decisão da Prefeitura que cancelou a certidão de uso de solo da vencedora da primeira fase do certame licitatório e determinou que o documento oficial da CODEGO – Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás, SEJA CONSIDERADO pela Administração Municipal, provando o cumprimento da Lei Municipal 2508/97.

O referido ofício da Companhia traz à lume esclarecimentos relacionados ao DAIA e, mais importante, assevera, categoricamente, que o imóvel objeto da Certidão de Uso e Ocupação de Solo nº 638/2018 se encontra limítrofe ao Distrito Agroindustrial de Anápolis – o que possibilita, nestes termos, a construção da Estação Aduaneira de Interior (EADI) desejada no referido local.

A Aurora da Amazônia Terminais e Serviços LTDA volta, portanto, a liderar o certame licitatório, por ter apresentado a melhor proposta comercial na primeira fase, com um valor 44% inferior ao da segunda colocada e atual administradora do local, a Porto Seco Centro-Oeste. A corrida pelo anúncio da empresa vencedora se aproxima de seu desfecho final.

 

Investimentos e gestão moderna – A Aurora da Amazônia divulgou em NOTA que investira 80 milhões iniciais e gerará 1.500 empregos (diretos e indiretos). No trecho do documento “reitera que não medirá esforços para que a verdade prevaleça e se cumpra o melhor preço ofertado na licitação, sem subterfúgios, trazendo benefícios, modernidade e desenvolvimento já amplamente divulgados, que são de conhecimento da sociedade, do parque industrial de Anápolis, de Goiás e de todo Brasil”.


De Michael Jackson à banda pop coreana BTS

Vocação em receber equipamentos de shows reacende em Viracopos com 375 toneladas de equipamentos em 4 aeronaves Boeing 747-400

Os equipamentos de som e de iluminação do BTS, maior banda de K-pop atual, desembarcaram nesta semana pelo TECA (Terminal de Carga) do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Foram 375 toneladas de equipamentos, em 146 paletes aeronáuticos, que chegaram ao país em 4 aeronaves Boeing 747-400.

A banda vem ao Brasil para dois shows neste final de semana (25 e 26) no Allianz Parque, em São Paulo. O grupo é o maior fenômeno do pop coreano e faz sucesso mundialmente. Em maio de 2018, se tornou o primeiro artista de K-pop no topo do ranking de álbuns da Billboard, dominando o topo da parada da revista americana ao lançar o disco “Love Yourself: Tear”.

Os voos vieram do Aeroporto JFK (Aeroporto Internacional John F. Kennedy – Nova York). Foram necessárias 40 carretas para transportar todo o material ao Allianz Parque. A previsão é que, após o término dos shows, as cargas retornem para Viracopos onde serão preparadas para exportação e seguirão em 4 voos nos dias 27 e 28/05, para o Aeroporto DAS (Doncaster Sheffield Airport, na Inglaterra.

 

Outros eventos – Viracopos cada vez mais se consolida como o aeroporto oficial dos grandes shows e eventos que acontecem no Brasil. O Terminal de Carga do aeroporto recebeu no mês passado, por exemplo, os equipamentos de som e de iluminação de algumas bandas que fizeram shows no Lollapalooza 2019, que aconteceu em São Paulo (SP). Ao todo, foram quatro voos cargueiros.

Na ocasião, desembarcaram por Viracopos os equipamentos de Sam Smith, St. Vincent, Kendrick Lamar, 21 Pilots, Interpol e Years & Years, entre outros.

Viracopos mantém a tendência de ser a principal porta de entrada de equipamentos de grandes shows no Brasil. O Terminal de Carga possui expertise logística para processar grandes volumes de carga de megaeventos internacionais. Já passaram pelo TECA, por exemplo, equipamento de shows das bandas como Aerosmith, Bon Jovi, Guns N’ Roses, U2, Rolling Stones, Maroom 5, Coldplay, Elton John e Justin Bieber, além de festivais como Rock in Rio e SP-TRIP.

“Destacamos uma equipe dedicada, com anos de experiência em processamento de cargas especiais. Com uma área coberta de 50.000m², o material das bandas fica em área controlada e segura, com sistema de vigilância eletrônica e pessoal 24hs por dia, embora o processamento deste tipo de evento é muito ágil, com a maioria das cargas saindo ainda no mesmo dia de sua chegada ao Brasil”, disse o gerente de Operações de Carga de Viracopos, Ricardo Luize.

Segundo o gerente, Viracopos tem se consolidado como o aeroporto para shows no Brasil por aperfeiçoar a cada ano o trabalho neste setor. “Focamos na customização dos processos para cargas especiais, consolidando nossa expertise, com foco na gestão de riscos e alinhados à nossa política de qualidade, lembrando que  Viracopos foi o primeiro Terminal de Cargas (TECA) de aeroporto concedido a possuir o selo da ISSO 9001:2015, sempre coordenando nossas atividades com os órgãos de fiscalização”, completou o gerente.

 

Michael Jackson –  Viracopos já recebeu equipamentos de outros importantes shows e eventos nacionais. Em 1993, por exemplo, o aeroporto recebeu 400 toneladas de equipamentos do show do cantor Michael Jackson [1958-2009]. O TECA também já recebeu equipamentos de edições anteriores dos festivais Lollapalooza e do Rock in Rio, entre outros.

Viracopos também é o aeroporto oficial do GP do Brasil de Fórmula 1 há 17 anos. Em 2018, o Terminal de Carga recebeu novamente as aeronaves cargueiras que trouxeram 600 toneladas de equipamentos das equipes que disputaram a corrida de Interlagos.

 

 


Amazon começa obras de aeroporto próprio com investimento de US$ 1,5 bilhão

A gigante do e-commerce Amazon deu uma notícia que pode mudar a forma como o mercado de carga aérea opera até agora. Com o objetivo de deixar de depender de outras companhias aéreas, a empresa anunciou que terá seu próprio hub logístico aéreo, assim garantindo entregas mais rápidas aos clientes.

O aeroporto da Amazon – O primeiro aeroporto da empresa americana dedicado ao comércio eletrônico possui 3,6 km² e será instalado em Cincinnati, Ohio, nos Estados Unidos. O valor do projeto é 1,5 bilhão de dólares. Com sua própria frota de aeronaves da marca “Amazon Air”, o tempo de espera para entregas promete ser reduzido para um único dia.

Operação no aeroporto da Amazon – A construção está prevista para ser finalizada em 2021, e a expectativa é boa: o local terá capacidade para operar até 200 voos diários, com 100 aeronaves simultaneamente.

A instalação da Amazon será dentro do Aeroporto Internacional de Cincinnati, tornando-se um hub de serviços dentro do mesmo terminal. A empresa terá sua própria torre de controle, além do estacionamento ser separado das demais aeronaves do aeroporto.

 


Terceiro maior exportador global, agronegócio brasileiro pode avançar

Investir em imagem, nos foros internacionais e no marketing das empresas, recomenda o titular da Cátedra Luiz de Queiroz, Marcos Jank

Para avançar, o agronegócio brasileiro, que já é o terceiro maior exportador global, precisa divulgar mais sua imagem no exterior, fortalecer sua participação nos foros internacionais e a presença direta das empresas nos mercados consumidores – especialmente na China, maior importador do Brasil, e demais países em desenvolvimento.

Esse é o diagnóstico feito na série Desafios pelo engenheiro agrônomo Marcos Jank, titular da Cátedra Luiz de Queiroz de Sistemas Agropecuários Integrados da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), sediada em Piracicaba, interior de São Paulo.

Marcos Jank também preside a Aliança Agro Ásia-Brasil, que reúne os exportadores brasileiros voltados para aquela área do mundo. De volta ao Brasil, depois de quatro anos em Singapura, já ocupou inúmeros postos de destaque em empresas e instituições internacionais do setor e detém uma visão privilegiada dos interesses e desafios do agronegócio brasileiro.

Com informações do Jornal da USP


ANTT acaba com adesivo de identificação do RNTRC

A diretoria da ANTT decidiu acabar com a obrigatoriedade do adesivo de identificação para os veículos cadastrados no Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (RNTRC). Agora, os veículos vão ser fiscalizados apenas por meio eletrônico, livrando o transportador de arcar com o custo da exigência. A decisão, relatada pelo diretor Marcelo Vinaud e incluída como item extra-pauta, deu-se na 811ª reunião da diretoria da agência realizada nesta semana.

A decisão também alterou o valor da multa aplicada a transportadores que imponham dificuldade à fiscalizações durante o transporte rodoviário de cargas por meio de evasão ou obstrução. O valor da multa, que era de R$ 5 mil, baixou agora para R$ 550. Ambas as demandas eram pontos de reivindicação dos transportadores como um todo.

A resolução entra em vigor em 30 dias.