Desemprego recua em 10 estados no segundo trimestre, diz IBGE

A taxa de desocupação recuou no Brasil no segundo trimestre de 2019 para 12%, 0,7 pontos percentuais a menos que os primeiros três meses do ano, divulgou nesta quinta-feira (15) a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com relação ao mesmo trimestre de 2018, a diminuição foi de 0,4 pontos percentuais.

De acordo com o IBGE, 10 das 27 unidades da federação tiveram recuo no registro, sendo que as maiores taxas foram observadas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16%). Os estados com os menores números foram Santa Catarina (6%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

Um quarto dos desempregados do Brasil, ou 26,2%, o equivalente a 3,347 milhões de pessoas, estão em busca de emprego há pelo menos dois anos. O registro é o maior para um trimestre desde 2012. Para efeito de comparação, em um ano, 196 mil novas pessoas estão em busca de trabalho há dois anos ou mais. Em 2015, esse total era de 1,435 milhões de pessoas.

— A proporção de pessoas à procura de trabalho em períodos mais curtos está diminuindo, mas têm crescido nos mais longos. Parte delas pode ter conseguido emprego, mas outra aumentou seu tempo de procura — disse a a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

A maior parte, 45,6%, dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 14,2%, de um ano a menos de dois anos e 14,0%, há menos de um mês. O percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada, chamada taxa composta de subutilização da força de trabalho, foi de 24,8%, anunciou o IBGE.

Já os desalentados do segundo trimestre ficaram em 4,9 milhões de pessoas, enquanto o percentual de pessoas desalentadas em relação à população na força de trabalho foi de 4,4%, mantendo um recorde da série histórica.


DC Logistics quer atingir 7% de Market Share até 2027

“Honra e realização” são as palavras que definem os sentimentos de Ivo e Guilherme Mafra sobre os últimos anos. No ramo desde 1994, Ivo e Guilherme Mafra, à frente da DC Logistics Brasil, de Itajaí (SC), como presidente e diretor, respectivamente, sempre apostaram no desenvolvimento do seu time e na profissionalização da gestão. Em 2014, o Guilherme, na busca de dar continuidade ao seu desenvolvimento, fez um programa individualizado com a Effecta.

Posteriormente, em 2015, visualizou a necessidade de uma Sucessão Assistida, bem como o desenvolvimento de suas lideranças, projeto que se deu em duas etapas no mesmo ano, com dois programas customizados, cujo objetivo era alinhar as funções e unificar o time. Para alcançar as expectativas, contaram com toda a equipe e também contrataram uma empresa especializada, a Effecta, com liderança da Janaina Manfredini, especialista em Evolução & Estratégia, que foi parceira-chave de todo o processo de desenvolvimento.

Em pouco tempo, já enxergavam os resultados. Além da comunicação interna, também otimizaram o clima organizacional. Cada colaborador da DC Logistics Brasil conheceu o seu papel e isso foi importante para melhorar a relação entre todos. Na empresa, já existia a cultura do feedback, missão, visão e valores, mas hoje, eles ganham mais espaço e são aplicados diariamente.

As conquistas são de deixar os dois com sorrisos largos, mas o caminho não foi fácil. Pai e filho passaram por uma jornada focada no Processo de Sucessão Assistida e ainda prepararam os gestores nos treinamentos Liderança Transformacional e Gestores Extraordinários. Os dois reforçam que a entrega e a boa vontade da equipe também foi fundamental para essa mudança dar certo.

Mesmo com os resultados acima das expectativas, os sócios querem mais. Através dos treinamentos e aprendizados, descobriram que a melhor maneira de medir o desempenho é pelo Market Share, medidor que representa a participação das empresas no mercado e consideram 7% a porcentagem atingível no Brasil em qualquer situação econômica, seja boa ou ruim. Atualmente estão com 2,5% de Market Share, mas a meta é ultrapassar o dobro desse valor, alcançando o 7% até 2027.


Gourmet Comex repetirá formato de sucesso em setembro

Clube de Networking movimentará mercado do interior e já conta com as adesões do Sindasp e da Aurora EADI Sorocaba

O tradicional encontro de profissionais de comércio exterior e logística “Gourmet Comex”, já tem data para acontecer: 20 de setembro.

Mais uma vez, o Clube de Networking, Gourmet Comex, reunirá a nata do mercado de Comércio Exterior e Logística de Campinas e Região.

Com o apoio do CIESP Campinas e sempre marcado por um almoço ao lado de uma mensagem de conteúdo, o Gourmet Comex reunirá cerca de 100 convidados para muito networking.

As empresas já se movimentam pela adesão às cotas de Patrocínio. SINDASP e Aurora EADI Sorocaba já confirmaram suas presenças.


Estadão: Ampliação do porto de Manaus chega à Antaq

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) deve deliberar hoje (9) sobre um projeto de ampliação do Terminal Portuário de Manaus pela empresa de iniciativa privada SuperTerminais. A ampliação é alvo de disputa judicial desde 2009, com seu concorrente, a Porto Chibatão, que é também concessionária para exploração do porto. Movimentações na Justiça também vinham impedindo que o assunto entrasse na pauta das reuniões de diretoria da Antaq desde 2014.

Ajudinha. No mês passado, a União, por meio do Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, encaminhou ofício ao Ministério da Infraestrutura manifestando interesse da União em ingressar no processo, já que a atuação da Justiça estaria impactando na autonomia funcional da Agência Reguladora e afetando diretamente a ampliação da capacidade e movimentação da SuperTerminais.

Lado a lado. As duas operadoras portuárias ocupam terrenos vizinhos à margem do Rio Negro. Juntas, elas respondem por quase a totalidade da movimentação de cargas de cerca de 550 empresas que usam o porto amazonense. O projeto da SuperTerminais prevê a instalação de um cais flutuante e a ampliação do pátio de armazenamento, com investimentos de R$ 150 milhões. A SuperTerminais alega que, com o embargo, a empresa já acumula prejuízos de cerca de R$ 30 milhões e foi obrigada a desligar mais de 140 colaboradores. Procurada, a Porto Chibatão não se manifestou até o fechamento da nota.

Fonte: Coluna Broadcast Estadão

Bônus da Receita Federal, motivo de greve do Órgão no passado, volta à pauta

O Tribunal de Contas da União vai dar 30 dias para o governo regulamentar a compensação financeira pelo pagamento do “bônus de eficiência” a auditores fiscais. Caso o governo não apresente as medidas compensatórias, descritas na Lei de Responsabilidade Fiscal, o bônus não poderá ser pago.

O TCU mandou um recado ao presidente da República, Jair Bolsonaro, nesta semana no julgamento que discute a legalidade do Bônus de Eficiência e Produtividade pago a auditores fiscais da Receita Federal.

O tribunal apontou que, se irregularidades apuradas não forem corrigidas pelo Ministério da Economia, o governo poderá ter dificuldades na aprovação das contas da Presidência da República no ano de 2019.
O relatório da Secretaria de Macroavaliação Governamental (Semag) do TCU apontou uma série de irregularidades no pagamento instituído no governo Michel Temer.

Entre elas, a inexistência de base de cálculo e índices de eficiência institucionais previstos em lei formal; a exclusão do bônus da base de cálculo previdenciária; a criação de despesas com a instituição do bônus sem a devida compensação; e o potencial conflito de interesses entre o público e o privado.