Desoneração na importação de bens de capital e de informática terá início nos próximos 40 dias

O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, afirmou nesta semana, que o governo pretende, nos próximos 40 dias, começar o processo de desoneração da tarifa de importação de bens de capital (máquinas e equipamentos) e de informática. A ideia é manter o anunciado pelo ex-presidente Michel Temer e reduzir a alíquota dos atuais 14% para 4% em quatro anos, mas a nova equipe quer mudar o formato como essa queda ocorrerá.

Diferentemente de Temer, que propôs uma redução linear a cada ano, a ideia é que a queda seja exponencial. “Queremos uma queda de 1 ponto porcentual, 1 e pouco agora, e quando chegar no último ano cai um monte”, disse, completando: “A partir do momento que outras reformas vão entrando em ação a gente vai aumentando o ritmo de redução do imposto”.

Ferraz explicou que essa é uma prioridade da pasta de comércio exterior e, por isso, deve ser a primeira grande ação. Segundo ele, o acesso a máquinas e equipamentos e bens de informática mais baratos e modernos “tem um impacto significativo em toda a cadeia produtiva, inclusive no setor industrial”. Ele destacou que a média da tarifa de importação para países como o Brasil já é de 4%.


“A evolução do Profissional de Comércio Exterior e o futuro do setor” será o tema do Overview no Gourmet Comex

Em tempos de discussões sobre previdência e longevidade, Almoço de Networking debaterá o “Gray Hair Talent, 50 Plus”

Um tema recorrente na Imprensa e nas rodas de conversas entre amigos – mesmo os mais jovens – é a questão da reforma da previdência. O debate se acirra, quando são levantados dados acerca do aumento da expectativa de vida do brasileiro e a longevidade.

Para abordar o tema, porém sob outro prisma, Nelson Fernandes Jr., Coordenador do Projeto “Gray Hair Talent, 50 Plus”, levará aos convidados do Gourmet Comex, no dia 26/04, em Campinas, um “timeline” do Comércio Exterior Brasileiro e a evolução do Profissional deste importante setor da economia mundial. “Queremos olhar um pouco adiante e avaliar como estão ou estarão as oportunidades para quem tem mais de 50 anos hoje ou quem chegará nessa idade em alguns anos”, prevê Fernandes Jr.

O tema é muito atual e será igualmente debatido em um Fórum sobre o “mercado grisalho” (foto), no mês que vem, também em Campinas.

 

FICHA TÉCNICA

Clube de Networking – GOURMET COMEX

Data: 26/04/19 – sexta-feira

Local: Standard Dining Club – Av. Norte-Sul

11:30h – Credenciamento – Drinks, Snacks & Networking

12:45h – Saudações e Overview: “A evolução do Profissional de Comércio Exterior: você está preparado para o comex do futuro? Nélson Fernandes Jr. – Diretor da RGN Log e Coordenador do Projeto Gray Hair Talent, o 50 Plus

13:15h – Almoço

13:15h/15:30hNetworking

 

INFORMAÇÕES: mkt@gpamais.com.br

Vagas limitadas à capacidade do local


Libra Campinas, RGC e Softrack completam seleto time de patrocinadores do Gourmet Comex

Encontro de profissionais de comex e logística será no Standard (foto), em 26 de abril. Prosseguem as adesões.

Os profissionais de comércio exterior e de logística do interior de São Paulo têm encontro marcado. No dia 26 de abril, uma sexta-feira, acontecerá mais uma edição do Clube de Networking Gourmet Comex

Com o apoio do CIESP Campinas e sempre marcado por um almoço ao lado de uma mensagem de conteúdo, o Gourmet Comex reunirá mais de 100 convidados para muito networking. A Nova sensação gastronômica da cidade, o Standard Dining Club receberá o Gourmet Comex. O badalado espaço fica na Avenida Norte-Sul, na cidade.

As empresas Libra Campinas, RGC e Softrack se juntam à TCEX, Aurora Eadi, SINDASP e Multilog, compondo um seleto time de empresas patrocinadoras. O evento tem o apoio do CIESP Campinas e a assinatura da “GPA+” de Nilo Peralta

Interessados no evento: mkt@gpamais.com.br – (19) 99299-1987


Audiência Pública debate rejeição na mudança de regras para importação de bens de capital

Ex-Tarifário

Eventuais mudanças nos critérios de isenção tarifária para produtos sem equivalente nacional, os chamados ex-tarifários, foram criticadas nesta quinta-feira (11) em audiência pública na Câmara dos Deputados. Atualmente, a análise se concentra em aspectos técnicos, mas a ideia do governo é passar a considerar também os preços e os prazos de entrega dos itens.

O debate na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços foi proposto pelos deputados do PT Zé Neto (BA) e José Ricardo (AM). Eles foram motivados pela recente publicação de duas portarias do Ministério da Economia que zeraram até 2020 as alíquotas do Imposto de Importação de 35 produtos de informática e de 500 bens de capital.

“Essas reduções tarifárias têm efeito dual, sendo potencialmente nocivas para as indústrias nacionais à medida que criam desincentivo para investimento em novos produtos e ao mesmo tempo potencialmente positivas para indústrias de transformação, uma vez que podem gerar redução de custos, com consequentes ganhos de competitividade”, afirmam os deputados.

Queixas e críticas – Durante o debate, o representante do Ministério da Economia Tólio Ribeiro disse que os ex-tarifários ajudam a reduzir os custos de investimento, aumentam a competitividade de produtos brasileiros e estimulam a incorporação de novas tecnologias.

Tólio Ribeiro defendeu a atuação do governo nessa área, já que, ao longo dos últimos cinco anos, foram raros os casos que foram parar na Justiça. “De 20 mil processos, eu me manifestei sobre 15. Significa o quê? Que está redondo”, disse. “Se a coisa fosse esquisita, eu teria que me manifestar muito mais, teria gritaria a todo momento.”

O presidente-executivo da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso Dias Cardoso, disse que atualmente em 93% dos casos não há questionamento sobre o enquadramento de ex-tarifários, já que não há similar nacional. Caso preço e prazo se tornem critérios de análise, avaliou ele, parte dos processos restantes poderia ser alvo de críticas.

A queixa da Abimaq é que, ao produzir uma máquina, uma empresa brasileira pode utilizar componentes estrangeiros e paga Imposto de Importação por isso – o que seria injusto em uma eventual comparação de preço. Além disso, há casos em que o pedido de enquadramento como ex-tarifário acontece quando o bem importado já está na alfândega, para pronta entrega.

“Na hora em que for ver preço com preço, é uma máquina nacional cheia de imposto com outra importada sem imposto”, criticou o presidente-executivo da Abimaq. “Isso não é possível, são duas coisas incomparáveis.”

Comércio exterior – Os deputados Zé Neto e José Ricardo também defenderam na audiência a adoção de políticas públicas que estimulem o comércio exterior e o financiamento do setor. O deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) lembrou que as exportações brasileiras equivalem atualmente a 11% do Produto Interno Bruto (PIB), menos da metade da média mundial (25%), com reflexos na taxa de crescimento da economia nacional.

Representantes da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) também participaram do debate na Câmara.

Confira a íntegra da audiência pública

Fontewww2.camara.gov.br/camaranoticias/noticias/ECONOMIA/574889-ENTIDADE-REJEITA-MUDANCA-EM-REGRAS-PARA-IMPORTACAO-DE-BENS-DE-CAPITAL.html


Cargolux aumenta capacidade de cargas no RIOgaleão com nova frequência semanal

Neste início de abril, a companhia aérea Cargolux implementou uma segunda frequência para o aeroporto internacional do Rio de Janeiro. O novo voo semanal ocorrerá às segundas-feiras, na rota LUX x GIG (Luxemburgo x Galeão), dobrando a capacidade cargueira vinda da Europa, e oferecendo novas oportunidades de negócios aos clientes RIOgaleão.  Atualmente, o terminal de cargas já recebe uma frequência da companhia aérea, em voos todas as sextas-feiras.

As operações Cargolux das segundas-feiras se estenderão até junho de 2019 e sua continuidade será avaliada nos próximos meses.