Nota Conjunta da Indústria e de Transportadoras tranquilizam sociedade sobre greve

Em região do Brasil tradicional no transporte de carga, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul – FIERGS – e a Federação das Empresas de Logística e Transporte de Cargas no Estado do RS – Fetransul – manifestam conjuntamente o seguinte: 

  • Não há sinais concretos das lideranças dos caminhoneiros de que vá ocorrer uma nova paralisação do transporte de cargas a partir desta segunda-feira, dia 10;
  • Uma segunda paralisação com o bloqueio de estradas e consequente desabastecimento seria desastroso para toda a sociedade brasileira, multiplicando os resultados perversos já sofridos no primeiro semestre, com mais inflação e desemprego;
  • Alertamos para o fato de que a repetida ameaça de uma nova paralisação de caminhoneiros abre espaço para a perigosa infiltração de movimentos partidários pela proximidade das eleições gerais no País;
  • Assim, apelamos aos verdadeiros líderes dos caminhoneiros autônomos para que tenham lucidez e bom senso, separando-se de grupos de desordeiros ou ideológicos, e tranquilizem a Nação neste momento importante da democracia brasileira;
  • Também esperamos que os governantes, o Judiciário e os Legislativos contribuam – nos seus âmbitos – para a tomada de decisões que preservem a normalidade da economia nacional e promovam a serenidade que a sociedade espera dos seus Poderes Constituídos.

Rio Grande do Sul, 4 de setembro de 2018.
Afrânio Rogério Kieling,                   Gilberto Porcello Petry,
               Presidente da FETRANSUL                   Presidente da FIERGS


Carlos Alcântara deixa a ABV

Entrevista Exclusiva e Inédita

Um dos “papas” da carga aérea no Brasil, executivo se dedicará à família. Questionado por ser ainda muito novo, deixou uma dúvida no ar: “só o tempo dirá”. Alcântara receberá homenagem no evento Gourmet Comex, em setembro. 

Confira a Entrevista Completa com Carlos Alberto Alcântara (FOTO João Batista) 

LogNews: Alcântara, a sua decisão em deixar a ABV no final de julho e se dedicar à família pegou o mercado de surpresa, em função mesmo de sua idade e de seu potencial para compartilhar conhecimentos. Foi uma decisão difícil?

R: Uma decisão como esta é sempre envolta de muitas nuances e, portanto, nunca é simples. Mas, no meu caso, foi a conclusão de um projeto familiar que vem sendo planejado e desenvolvido há alguns anos. 

 

LogNews: Quais foram os motivos?

R: Ao longo de minha trajetória profissional, sempre tive um compromisso muito forte com a qualidade e excelência em tudo o que diz respeito ao trabalho, fato que me levou a adiar a realização de projetos pessoais e  minha ausência em fases importantes da vida e convívio da família. 

 

LogNews: Conte-nos sobre sua trajetória profissional?

R: Comecei minha carreira profissional no Aeroporto de Congonhas em 1982, na área de operações.

Em 1986 fui transferido para o recém-inaugurado aeroporto de Guarulhos onde exerci a chefia do setor emergências aeroportuárias e a partir de 1995 assumi  a gerência de logística.

No final de 1997, assumi a gerencia de logística no aeroporto de Viracopos, onde tive a oportunidade de colocar em prática importantes e inovadores projetos que permitiram ao aeroporto se destacar no cenário do comércio exterior brasileiro.

Em 2006 retornei ao   aeroporto de Guarulhos, como gerente de logística, para ali desenvolver os projetos  consolidados com sucesso em Viracopos.

Em 2011, após dois anos em que tive a oportunidade de atuar na iniciativa privada, retornei à Infraero em Viracopos, como superintendente do aeroporto.

No início de 2013, após a concessão, fui convidado pela Aeroportos Brasil Viracopos(ABV) para exercer a função de Relações Institucionais, onde permaneci até o final de julho de 2018, quando então me desliguei para dar início a esse novo ciclo.

 

LogNews: Quais os principais projetos vitoriosos que você participou e gostaria de dividir com a gente.

R: Dentre vários projetos bem-sucedidos, destaco um que revolucionou e marcou época, denominado Linha Azul. Desenvolvido em parceria pela Infraero, Receita Federal e os diversos intervenientes atuantes no comércio exterior,  obteve muito sucesso em identificar e eliminar gargalos que causavam  perdas de tempo precioso no processo logístico, comprometendo a rapidez,  principal vantagem  do transporte aéreo e  permitindo ao Aeroporto reduzir de 3 dias para poucas horas o tempo de liberação das cargas, a ponto da Receita Federal transformá-lo em um regime aduaneiro especial para aplicação em nível nacional.

Merecem destaque também os projetos VCP EXPRESS e VCP FLEX, que proporcionaram os benefícios da agilidade associada à redução nas tarifas de armazenagem.

Coroando o cenário de inovações, o Ranking e o Prêmio de Eficiência logística proporcionaram grande competitividade e reconhecimento público para as empresas que mais se destacam na agilidade em seus segmentos.

 

LogNews: Como gostaria de ser lembrado?

R: Como um profissional determinado, que nunca se deixou imobilizar pelas dificuldades, que buscou sempre a melhoria dos serviços e a satisfação dos clientes, e que reconhece a importância crucial das pessoas com quem teve o privilégio de trabalhar, que compuseram equipes dedicadas e eficientes, sem as quais não seria possível a realização e sucesso, a quem dedico meu reconhecimento e agradecimento especial.

 

LogNews: Logo após sua saída, já aparece uma placa de “bons serviços prestados ao Comércio Exterior Brasileiro” que será entregue para você no evento Gourmet Comex, agora em setembro. É singelo e simbólico, mas é legal ser reconhecido, certo?

R: Cumpre-me agradecer pelo privilégio de ser lembrado e agraciado por essa homenagem.

 

LogNews: Alguns profissionais ligados a você falam que sua paixão pelo trabalho não o deixará fora por muito tempo… a decisão é definitiva? Um convite desafiador, não demoverá de sua decisão?

R: Só o tempo dirá… (risos)


Viracopos registra novo crescimento de carga internacional

Exportações superam 50 mil toneladas nos sete primeiros meses e alta atinge 43,5% em 2018

O movimento de importação, de exportação e de remessas expressas apresentaram alta no mês de julho em relação ao mesmo período do ano passado no TECA (Terminal de Carga – FOTO) do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

Somadas todas as movimentações (importação, exportação e remessas expressas), o crescimento chegou a 25,4% nos primeiros sete meses do ano em relação ao mesmo período de 2017.

As altas foram puxadas pelos segmentos de Cosméticos, Calçados e Bolsas, Móveis, Transporte de Duas Rodas, Farmacêuticos, Papelaria e Publicações, Químicos e Tecnologia.

Na Importação, o crescimento foi a 6% em julho, como um total de 10.906 toneladas movimentadas. Somados os sete meses do ano, a alta chegou a 15,87% em relação ao mesmo período de 2017, com um volume total de 78.189,43 toneladas importadas.

Já na área de Exportação, a alta chegou a 52% em relação ao mês de julho de 2017. Só no mês passado, foram exportados pelo aeroporto 8.235 toneladas de carga contra 5.412 toneladas do mesmo mês do ano passado. Somados os sete meses deste ano, a alta nas exportações foi de 43,51%, com um total de 50.494,80 toneladas de cargas que deixaram o país por Viracopos.

Outra marca importante ocorreu na área de remessas expressas/courier. No mês de julho, o crescimento neste setor foi de 3,5% em relação ao mesmo período do ano passado, com 603 toneladas. Já no acumulado entre janeiro e julho, a alta soma 18,3%, com 3.496 toneladas movimentadas.


Vídeo de 1998: recordação e previsão para Viracopos

Artigo

Por Nilo Peralta

A INFREARO – Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – completa 45 anos em 2018. Não tenho certeza como (e se) ela chegará aos 50…

Digo isso, porque hoje a empresa convive com altos gastos com pessoal, que não param de crescer na estatal e complicam sua capitalização. Segundo uma consultoria, para fazer tal operação é preciso cortar 4 mil funcionários. Esse inchaço nos custos da folha de pagamento é um dos entraves para que a Infraero possa abrir capital, em operação que renderia até R$ 16 bilhões para a União.

Divido esta informação com tristeza, pois foi em minha passagem de 15 anos como empregado da empresa (na estatal são “empregados” mesmo – e, não, funcionários ou colaboradores), que fui privilegiado com a oportunidade de ter grande parte de meu aprendizado profissional em Viracopos.

Em um desses registros, na passagem dos 25 anos da Infraero, nos idos de 1998, um VÍDEO INSTITUCIONAL de Viracopos, sem muitos recursos tecnológicos para aqueles tempos, foi produzido pela área de Comunicação da Infraero, liderada à época por mim, com o texto e a direção do vídeo.

Chamo a atenção dos leitores para o conteúdo da mensagem, ratificando nosso esforço de comunicação em 1998 com o atual estágio em que Viracopos chegou nos dias atuais.

Hoje, Viracopos tem a gestão da Concessionária ABV (Aeroportos Brasil Viracopos), que trouxe melhorias sensíveis de estrutura e gestão para este gigante equipamento urbano.

Um pouco de saudosismo, para quem, como eu, está há algum tempo nessa pista.

Vejam e voltem no tempo ou, simplesmente, confiram o momento recente de Viracopos:

 

Nilo Peralta – Relações Públicas, com passagem pela Infraero Viracopos (1986/2001).

É proprietário da GPA+ Com & Mkt desde 2001, onde pilota projetos vitoriosos.

Sob sua gestão, os eventos, Gourmet Comex, Forum LogNews Online e Fórum

Atibaia, além do braço jornalístico com o Portal LogNews e Assessoria de Imprensa.


Aurora EADI completa 20 anos e anuncia ampliação de área refrigerada com investimentos de R$ 3 milhões

Localizado em Sorocaba (SP), Porto Seco inaugura novas câmaras frias e quer acompanhar setores de saúde (humana e animal) que deverão crescer quase 10% em 2018. 

Mesmo diante de incertezas, a recuperação recente da economia impactará o aumento do consumo de proteína animal e deve fazer com que a indústria de produtos de saúde animal cresça de 7% a 8% em 2018. O setor movimentou R$ 5 bilhões em 2017, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan). Já o mercado farmacêutico, uma das referências para o setor de saúde humana, poderá crescer entre 8% e 9% neste e no próximo ano, de acordo com uma análise e uma pesquisa de expectativas das empresas deste segmento. Essas estimativas foram apresentadas no Fórum Expectativas 2019, organizado pelo Sindusfarma (Sindicato da Indústria Farmacêutica) com analistas e consultores, em junho.

Na esteira desse desenvolvimento, a Aurora EADI – Porto Seco alfandegado localizado em Sorocaba, no interior de São Paulo – ampliou sua área de armazenagem com controle de temperatura. Com investimentos na casa de R$ 3 milhões, a empresa ampliará sua capacidade de atendimento às cargas com anuência ANVISA (Agência de Vigilância Sanitária). “A cadeia do frio está ainda mais privilegiada. A infraestrutura e os colaboradores da empresa capacitam de forma diferenciada esses nossos serviços, reconhecidos no mercado por sua agilidade, segurança e preços competitivos”, destaca Henrique Debiazi, Gerente Executivo Comercial da empresa (foto). Os investimentos de R$ 3 milhões estão todos entregues nessa ampliação, somados à criação de um cofre para cargas de alto valor e alta atratividade. 

20 aos de operações – Com uma Infraestrutura privilegiada, a Aurora Eadi está localizada às margens da Rodovia Senador José Ermírio de Moraes, conhecida como Castelinho. Com área total de mais de 100 mil m², o provedor de soluções logísticas integradas conta com 20 mil m² de um armazém com pé direito de 20 metros de altura, mais de 18 mil posições porta pallets e um pátio de 33 mil m². As câmaras frias, agora ampliadas, são monitoradas 24h / dia e já possuem autorização para operar e armazenar todos os tipos de carga sob anuência ANVISA. A empresa completa 20 anos em 2018. Uma marca comemorativa foi lançada em alusão à data.