GM foca em exportações após investimento

Após anúncio de investimento de R$ 10 bilhões até 2024, a General Motors agora defende um programa urgente para incentivar exportações.

Após recente anúncio de investimento de R$ 10 bilhões até 2024, resultado de negociações para garantir novos projetos no País, a General Motors agora defende um programa urgente para incentivar exportações. Uma das propostas é aumentar a alíquota do Reintegra (programa que devolve impostos pagos na exportação) dos atuais 0,1% para 9%. O presidente da montadora, Carlos Zarlenga, coloca como opção até mesmo o aumento de tributos para carros vendidos no Brasil, como forma de compensar a queda da carga e atrair novos investimentos.

Exportar é o novo foco da GM?

A indústria automotiva tem necessidade de exportar. Sem isso nunca vamos corrigir o problema de exposição cambial e nossa rentabilidade nunca será previsível. Para se ter um nível de mais certeza para investir é preciso exportar mais e não apenas para o Mercosul e outros países da América do Sul.

Por que as montadoras não conseguem exportar mais?

Nossos custos estão bem acima de países como México e Coreia do Sul. É um círculo vicioso. Precisamos exportar para reduzir a exposição cambial, mas não conseguimos porque não somos competitivos. Se não somos competitivos, não recebemos investimentos para exportar. Uma parte enorme da nossa incompetência são os altos impostos. Quando exporto um carro do Brasil, ele carrega 15% de impostos. Quando exporto do México, são 2%. Nos últimos anos, não foi feito nenhum investimento voltado à exportação. Não há programas para aproveitar a grande capacidade do Brasil e fazer um produto só para exportar porque esse tipo de investimento vai para o México, não vem para o Brasil. O governo ficaria surpreso em relação à vontade de investimento que vai ter por parte das empresas se simplificasse o processo e reduzisse os impostos.

Reforma tributária é a saída?

Precisamos de uma reforma que nos permita ser competitivos. Como pode demorar a ser aprovada, é preciso uma medida de curto prazo como o programa Reintegra, mas com porcentual de devolução de 9% para contemplar todos os tributos. O que já tivemos (Reintegra de 3%, hoje reduzido a 0,1%) nunca compensou os impostos que pagamos. A indústria brasileira deve ser a única que tem capacidade produtiva, escala, parque de fornecedores, mercado doméstico grande, mas não tem custo. Hoje, as exportações fora do Mercosul são minúsculas. Vão para Chile, Colômbia, Equador, Uruguai e Paraguai, mas, se olharmos o porcentual dos carros vendidos nesses países, pouco é do Brasil, que está do lado deles. A maioria vem da China, Coreia e México, que estão muito mais longe. O momento é de fazer mudanças, pois esse problema não está na produtividade das fábricas.

Os R$ 10 bilhões que a GM vai investir têm perfil exportador?

São investimentos, principalmente, destinados para o Mercosul e porcentual menor para o resto da América do Sul, mas o foco não é esse. Se estamos numa visão de abertura como no caso do México é chave trabalhar isso ou então vai acontecer o contrário: se não somos competitivos aqui, vamos investir lá para exportar para cá.

O sr. acredita que o governo vai aceitar mexer no Reintegra?

Temos problemas de infraestrutura e de carga impositiva. O governo não tem um diagnóstico diferente. O ponto é como criar a condição para exportar. Quando falamos em trazer mais investimento e mais nível de atividade é exatamente o que o governo quer fazer. A discussão não é sobre a carga tributária total, mas sobre onde colocá-la. Seria melhor colocar uma carga um pouco mais alta no mercado doméstico e tirar da exportação. Aí a receita total não seria afetada. Mas o carro para o mercado doméstico ficaria mais caro. Se quisermos tirar imposto da exportação sem reduzir a receita do Estado temos de olhar para as alternativas. A carga no mercado doméstico está em cerca de 47%, mas ter exportação com 15% é altíssimo também. Então tem de escolher. Deve ter várias alternativas. O formato de como viabilizar o programa pode ser discutido.

Com informações ABC do ABC

Carga de Projeto: porto de Salvador realiza operação inédita com embarque de peças de energia eólica para os EUA

Fabricadas em Camaçari, até o final do ano, serão realizadas exportações de 120 kits de componentes eólicos, produzidas na Bahia, para os Estados Unidos.

Habituado a receber equipamentos para a produção de energia eólica, para atender projetos em implantação na Bahia ou mesmo em outros estados do Nordeste, o Porto de Salvador iniciou na última terça-feira (07) uma operação inédita. Desta vez, o movimento é de saída. Pela primeira vez, o local realiza uma operação de embarque de equipamentos do tipo para atender um projeto na cidade de Houston no estado do Texas nos Estados Unidos.
A operação também marcou a primeira oportunidade em que o navio Bahri Jeddan, de bandeira da Arábia Saudita, atracou na América do Sul. O cronograma prevê que a embarcação deixe a capital baiana na noite desta quarta-feira (8) carregada com 24 naceles, 24 geradores e 24 hubs, que foram produzidos na General Eletric (GE), em Camaçari.
As peças são consideradas carga de projetos de alto valor agregado e estão programados mais cinco embarques para os EUA, no valor de R$ 300 milhões.  Estes equipamentos, antes do embarque, foram estocados no pátio de armazenagem do porto e é necessário toda uma operação especial que envolve equipamentos diferenciados, segundo informações divulgadas pela Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba).

O navio irá utilizar o tug master e plataforma mafi, próprios para operações portuárias e reportuárias, próprios para atividades que exigem manobras em pouco espaço físico. A plataforma mafi é como um trailler de carga especial, que é utilizado em operações com navios roll-on rool-off, para deslocamento de cargas de grandes dimensões e pesos acima de 30 toneladas.

“Até o final do ano, serão realizadas exportações de 120 kits de componentes eólicos, produzidas na Bahia, para os Estados Unidos”, informou do diretor de Gestão Comercial e de Desenvolvimento da Codeba, Fábio Luiz Lima de Freitas. “Estas operações comprovam que o porto da capital baiana tem capacidade e posicionamento estratégico para a importação e exportação das cargas de projetos, dentre elas as eólicas”, destacou.

“Como transportar esses materiais através do mar é uma forma mais segura para o setor, além de diminuir o tempo de exposição da carga, de alto valor, nas rodovias, a Codeba em conjunto com os operadores vem, desde 2017, adotando incentivos visando ampliar este tipo de operação no Porto de Salvador”, ressaltou Fábio Freitas.

Energia renovável na Bahia – A Bahia ultrapassou, neste mês de abril, o Rio Grande do Norte, em número de parques eólicos em operação, segundo dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE). A expectativa é que ainda este ano a Bahia assuma o primeiro lugar em potência instalada, já que estão sendo construídos 38 parques eólicos. Para isso, o Porto de Salvador também tem sido a porta de entrada para peças como torres, pás, chapas de aço, turbina, hubs, naceles e peças que compõem um aerogerador, para geração de energia renovável.


Confira como foi o Gourmet Comex com fotos e repercussão

Chegou ao fim mais uma edição do almoço de Networking “Gourmet Comex”, realizada no último dia 26 de abril, no Dining Club “Standard”, em Campinas.

Nas saudações iniciais, José Henrique Toledo Correa – Diretor Titular em exercício do CIESP Campinas, destacou a importância de encontros do gênero. “Das 20 edições, desde o Happy Comex, eu não participei de apenas uma”, comentou em tom descontraído. E prosseguiu, “o CIESP é apoiador e encontros como este funcionam na informalidade e na interação entre os profissionais”.

Na apresentação, Nelson Fernandes Júnior provocou o público presente como será o futuro das relações profissionais e evolução das tecnologias.

O evento recebeu comentários positivos por toso os presentes. Ao final do evento, um desses comentários positivos foi o de Jorge Lobarinhas, da ABV (Viracopos). “O evento cresceu e a qualidade do público presente acompanhou essa evolução com a participação da Indústria”, sentenciou Lobarinhas.

A Nova sensação gastronômica da cidade, o Standard Dining Club recebeu o Gourmet Comex. O badalado espaço fica na Avenida Norte-Sul, na cidade.

As empresas Libra Campinas, RGC, Softrack, TCEX, Aurora Eadi, SINDASP e Multilog, formaram um seleto time de empresas patrocinadoras. O evento teve o apoio do CIESP Campinas e a assinatura da “GPA+” de Nilo Peralta.

CONFIRA ALGUMAS FOTOS:


Kimberlit Agrociências inaugura fábrica no interior de São Paulo

A Kimberlit Agrociências ganha nova fábrica de defensivos biológicos Bionat. A inauguração ocorreu nesta terça-feira, no interior de São Paulo, na cidade de Olímpia.

O mercado de fertilizantes deu um grande salto no ano de 2018, com faturamento de R$ 464,5 milhões e perspectiva de avanço de 20% no ano de 2019. Esse cenário influenciou na ampliação do parque fabril da Kimberlit.

A primeira fase de aportes será destinada ao desenvolvimento e a montagem da fábrica, serão gastos em torno de R$ 25 milhões. Para sua expansão R$ 20 milhões serão investidos e, por último, R$ 2,3 milhões virão da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Foi calculado pela empresa um aumento de 25% no faturamento para o ano de 2019, além da chegada de 32 novos produtos para o segmento. Com o mercado cada vez mais promissor, o número de produtos biológicos no Brasil disparou. Em 2010 haviam apenas 19 produtos biológicos no país e no início desse ano 200 produtos já estão disponíveis.

Com informações do Valor Econômico


ERP Summit divulga balanço e terá dois dias em 2020

Dividido em Congresso e Expo, o ERP Summit 2019, maior evento de software de gestão da América Latina recebeu mais de 3 mil pessoas, entre empresários, CEOs, VP’s, CIO, CTO, CFO e diretores, no último dia 16 de abril no Pavilhão Azul do Expo Center Norte em São Paulo.

Com o tema central “Software aplicado a gestão como gatilho de crescimento”, e foco na experiência do usuário de soluções ERP, o encontro contou com mais de 70 palestras e painéis divididos por segmento de mercado como: Varejo, Serviço, Indústria, Cloud, Agro, Distribuição e Logística e Tech.

No ambiente Expo, mais de 60 stands, das principais empresas de software e tecnologias para gestão de empresas, apresentaram suas soluções, realizaram lançamentos de produtos, serviços e parcerias, assinaram contratos, fecharam negócios e aproveitaram oportunidades de networking.

Em sua terceira edição e com recorde de público de mais de 4 mil inscritos, o ERP Summit é promovido pelo Portal ERP, com o apoio de instituições e organizações ligadas ao setor de Software e TI, além de órgãos governamentais.

Para Marcelo Sinhorini, Diretor Executivo do Portal ERP, ao passo que as edições avançam, o ERP Summit tem se tornado o principal meio fomentador de inovações e tecnologias para gestão de negócios. “Cada vez mais o ERP Summit tem se tornado um evento extremamente importante para todo o ecossistema de gestão não só do Brasil, mas da América Latina”, destacou Sinhorini.