Empilhadeira ETV 216i da Jungheinrich é premiada com o iF Design Award 2019

A empilhadeira elétrica ETV 216i, da Jungheinrich, foi reconhecida com o iF Design Award 2019. O modelo foi o primeiro no mundo projetado com a bateria totalmente integrada a sua estrutura. A ETV 216i é mais compacta quando comparada às empilhadeiras convencionais, proporcionando maior agilidade e melhor ergonomia, além de garantir ao operador mais liberdade de movimento e melhor visibilidade. O resultado é uma operação amigável e segura.

“Durante o desenvolvimento da ETV 216i, os engenheiros e designers da Jungheinrich trabalharam juntos para trazer uma empilhadeira que combina design e desempenho como nenhuma outra. O reconhecimento da ETV 216i com o iF Design Award confirma que seguimos pelo caminho certo ao criar um novo conceito em design de empilhadeiras”, explica Michael Niebuhr, Head of Industrial Design na Jungheinrich AG.

Prêmio Especial – “65 anos de participação no iF Design Award” – O iF Design Award é um dos mais importantes prêmios de design do mundo. O evento reconhece e premia os projetos de design de produto, embalagem, comunicação e design de serviço, arquitetura e design de interiores.

A Jungheinrich ganhou o iF Design Award pela primeira vez em 1954 por meio da marca Ameise com uma empilhadeira elétrica controlada por operador. Com o prêmio deste ano, é a 18ª vez que a Jungheinrich ganha o iF Design Award na categoria Produto. A Jungheinrich também está entre as sete empresas homenageadas com o prêmio especial “65 anos de participação no prêmio iF Design Award”


Viracopos adia assembleia de credores à espera de novas ofertas pelo aeroporto

A Aeroportos Brasil (ABV), concessionária do aeroporto de Viracopos , em Campinas, em recuperação judicial desde junho de 2018, recebeu aval da Justiça de São Paulo para adiar a assembleia de credores que estava prevista para o próximo dia 16 de maio para 27 de junho, com segunda chamada em 1º de julho. O grupo pediu prazo adicional para que interessados no ativo tenham mais tempo para concluir análises e fazer propostas.

Na última terça-feira(7) a Zurich Airport, em parceria com a IG4 Capital, apresentou uma proposta para assumir o aeroporto de Viracopos. A empresa de gestão aeroportuária já havia manifestado interesse na concessionária junto à Justiça no ano passado. Segundo fontes próximas a Viracopos, outras seis empresas estariam interessadas na operação e poderiam também apresentar propostas nas próximas semanas.

Na decisão que data desta quarta-feira(8), assinada pela juíza Thais Migliorança Munhoz, da 8ª Vara Cívil do Foro de Campinas, consta que Viracopos pediu o adiamento da assembleia de credores argumentando que as negociações com os credores e que seria preciso dispor de prazo adicional para aprofundamento das discussões quanto à estrutura do futuro plano de recuperação judicial a ser apresentado em assembleia.

A ideia é garantir mais tempo para que os acionistas possam negociar com credores, mas também que investidores interessados na concessionária possam concluir suas análises e apresentar uma eventual proposta pelo controle de Viracopos.

Viracopos tem uma dívida de R$ 2,88 bilhões, sendo a maior parte dela, R$ 2,6 bilhões, com o BNDES. A concessionária vem mantendo as contas em dia, mas deixou de pagar as autorgas previstas pelo contrato de concessão devido à receita encurtada pela evolução da demanda de passageiros abaixo do previsto à época do leilão do aeroporto, em 2012. Estão pendentes as parcelas de 2017 e 2018. A deste ano vence em julho.

Com informações G1

Governo zera tarifa de importação de máquinas no regime de ex-tarifários

A Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia zerou as tarifas de importação de vários bens de capital e de bens de informática e telecomunicações. Os itens beneficiados são máquinas e equipamentos industriais sem fabricação nacional, todos na condição de ex-tarifários.
Originalmente, esses bens são tributados com alíquotas como 12%, 14%, 16%, 18%.

A decisão consta de duas resoluções publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 09/05. As medidas têm vigência até 31 de dezembro de 2020.

Publicado no DOU

Após MAPA, agora Anvisa faz adesão ao OEA Integrado

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Receita Federal firmaram nesta semana, uma parceria para implementar ações de qualificação no processo de importação de produtos sujeitos à vigilância sanitária. A expectativa é que a adesão do órgão regulador ao programa Operadores Econômicos Autorizados (OEA) contribua para a otimização de recursos e a redução dos prazos para anuência em processos de importação.

Os operadores econômicos autorizados são empresas reconhecidas pela Aduana Brasileira e consideradas como de baixo risco em termos de segurança física da carga e de cumprimento das obrigações. O modelo do chamado OEA Integrado foi iniciado com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e, desde então, vem sendo ampliado para outros órgãos de Estado intervenientes no comércio exterior.

A proposta é tornar o fluxo de comércio internacional mais ágil e previsível, além de promover a modernização aduaneira, ampliar a implantação da gestão de risco e priorizar ações em intervenientes de alto risco. “A certificação OEA requer que os intervenientes em operação e comércio exterior atendam a critérios de segurança da cadeia logística no fluxo de operações de comércio exterior e de conformidade tributária e aduaneira”, informou a Anvisa.
Anuência Anvisa – Entre as competências da agência está a anuência da importância e exportação de medicamentos de uso humano, alimentos, cosméticos, saneantes, conjuntos, reagentes e insumos destinados a diagnósticos, equipamentos e materiais médico-hospitalares, imunobiológicos, órgãos, tecidos humanos e veterinários, radiofármacos, produtos fumígenos e quaisquer outros produtos com possibilidade de risco à saúde obtidos por engenharia genética.


Procter & Gamble (P&G) investe R$ 200 milhões no interior de São Paulo

Cidade passa a abrigar agora o único Campus da P&G “multi-categorias”, ao contar no mesmo local com toda a cadeia de desenvolvimento de produtos, desde a sua criação até o momento que vai para o cliente.

A cidade de Louveira, no interior de São Paulo, foi palco da inauguração do primeiro Centro de Inovação da Procter & Gamble (P&G) no Brasil. A multinacional americana investiu cerca de R$ 200 milhões em instalações, contratação de mão de obra especializada e viabilização das operações. A unidade será dedica a pesquisa e desenvolvimento de produtos para toda região da América Latina, além de países em ascensão como a Rússia.

A Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade, InvestSP, que já havia apoiado a P&G na expansão da sua linha de detergentes no município, deu suporte durante a implementação do novo Centro de Inovação. A agência acompanhou os processos da empresa para obtenção de licenciamento ambiental junto aos órgãos responsáveis.

“O investimento da P&G nesse centro de pesquisa é muito importante para o Estado de São Paulo. Ele mostra que oferecemos a estrutura necessária para que as empresas produzam, aqui, o que tem mais valor, atualmente, que é a inovação. Continuaremos nosso trabalho para que mais investimentos como esse se estabeleçam em São Paulo”, disse Mello.

O Brasil é oitavo país a receber um Centro de Inovação da P&G, ao todo são 14 centros no mundo. Sua escolha foi feita pela P&G Global após análise de vantagens estratégicas para a companhia, que incluem, dentre outros pontos, ser o 3º maior mercado para as categorias que a P&G atua, talento técnico de alto padrão, potencial de crescimento e infraestrutura adequada.

“Para a tomada de decisão sobre onde construir o centro de inovação fizemos o que sempre fazemos – fomos ouvir nossos consumidores. E os brasileiros são tão diversos e exigentes que podemos replicar aprendizados daqui para os demais países. Para se ter uma ideia, o Brasil tem a maior frequência na escovação de dentes, uso de condicionador e desodorantes. Temos certeza que o Brasil é a escolha certa para impulsionar o nosso crescimento”, reforça Juan Fernando Posada, presidente da P&G para América Latina.

O Centro de Inovação será responsável pela realização de pesquisas para diversos setores de negócios incluindo: cuidados com bebês, beleza, casa e higiene, femininos e saúde bocal com o objetivo de desenvolver produtos, embalagens e processos produtivos cada vez mais sustentáveis. Também serão realizadas no espaço pesquisas de mercado com consumidores, que terão de focus groups a sessões de realidade virtual.

Para isso, a P&G conta com um time de 150 cientistas, de mais de 10 nacionalidades. Eles serão responsáveis por ouvir, vivenciar e entender tudo sobre o consumidor latino-americano para que a P&G continue entregando soluções sob medida, realmente pensadas para as necessidades, hábitos e características das diferentes famílias que usam seus produtos.

Louveira também abriga uma das quatro fábricas da P&G no Brasil, além de um Centro de Distribuição, com isso se torna o único Campus da P&G, multi-categorias, isto é, que possui no mesmo local toda a cadeia de desenvolvimento de produtos, desde a sua criação até o momento que vai para o cliente.